Poucas palavras:

Blog criado por Bruno Coriolano de Almeida Costa, professor de Língua Inglesa desde 2002. Esse espaço surgiu em 2007 com o objetivo de unir alguns estudiosos e professores desse idioma. Abordamos, de forma rápida e simples, vários aspectos da Língua Inglesa e suas culturas. Agradeço a sua visita.

"Se tivesse perguntado ao cliente o que ele queria, ele teria dito: 'Um cavalo mais rápido!"

terça-feira, 29 de maio de 2012

ELT Conferences 2012 in South America.

(The Trinity College - Dublin.)



Here’s a list of conferences and seminars for English teachers in South America in 2012. I am waiting for other TESOL organizations to confirm dates for this year’s events. 

ELT Conferences 2012 – South America:


May 11-12  ARTESOL 25th Anniversary Conference Santa Fe – Argentina

May 25-26  VENTESOL 30th Annual Tesol Convention Valencia – Venezuela


July 9-11  Teaching Unplugged Course (Braz Tesol RN) Natal – Brazil

July 12-14  ABCI Conference São Paulo – Brazil

July 16-19 Braz Tesol National Convention Rio de Janeiro – Brazil

July 20-21 XII IATEFL Chile International Conference – Santiago – Chile

July 23-24  9th CTJ TEFL Seminar Brasília – Brazil

July 26-27 7th Share Convention Buenos Aires – Argentina

July 31-Aug 2  XX Peru Tesol Annual Conference Chiclayo – Peru

September 20-22 XXXVII FAAPI Conference San Martin de los Andes – Argentina


Think about it.



Life's not as hard as you think. You make mistakes which make you stronger. You fight to make it better. You love to make it right. You hurt to feel something. You regret to make it right the second time around. You forgive but never forget because at the time it's exactly what you wanted. Nobody's perfect, we all screw up. But all the little mistakes in life are worth it all in the end. You're a strong person in the end and everybody is beautiful in their own way so never give up, and be yourself. It's worth it in the end.

And... this is the reality!




“To be yourself in a world that is constantly trying to make you something else is the greatest accomplishment.” 

 Ralph Waldo Emerson

“A friend is someone who gives you total freedom to be yourself-and especially to feel, or not feel. Whatever you happen to be feeling at any moment is fine with them. That's what real love amounts to - letting a person be what he really is.” 

 Jim Morrison

“The easiest thing to be in the world is you. The most difficult thing to be is what other people want you to be. Don't let them put you in that position.” 

 Leo Buscaglia

Who can teach EFL?


I did my CELTA course more than ten years ago, and during that time I have gained experience abroad and within TEFL and ESOL. I have also met various teachers who have entered EFL teaching through different routes, and with varied academic backgrounds.  Some had come into the profession as volunteer teachers in their local communities and built up their experience that way, some had been working in their local community college for many years, and had never had any formal training, but had years of experience. Many did not have a degree, while others had been to university and had a CELTA, and with any profession there were varying degrees of good and bad teaching.

TEFL qualifications too short?

So, from my experience a wide range of people can be teachers, but despite this knowledge I often feel that many people are given the impression that our line of work is easy, because, after all you only need to do a one month course, and you can even do one online or over a weekend! I mean how easy must that sound to so many people?  When I lived in Italy I met teachers who had no training at all in teaching and landed a teaching job in a private language school, purely based on the fact that they spoke English.
In my opinion the brevity of the of the CELTA course, and the ease at which people can secure a teaching job abroad hides the fact that teaching EFL requires a wide range of skills and knowledge; knowledge of language acquisition, dealing with group dynamics, aspects of linguistics, syllabus planning, testing, specialist knowledge about teaching children a foreign language, and not forgetting bags of creativity.

Do we undervalue our job?

I am a member of an international teaching organisation and the regular journals and special interest literature I receive from them illustrate to me time and time again, that our profession is not to be taken lightly. There are serious issues teachers need to consider when entering a classroom. I am not suggesting that only CELTA qualified people make good teachers, from my experience it does not work like that. However I think that the ease at which unqualified people can get a job abroad and perhaps the brevity of the initial CELTA qualification causes people to undervalue the qualification and what we do. We as EFL teachers are also guilty of undervaluing our job. I believe is connected not only to low pay, but also to the fact that many well qualified and experienced teachers often watch others with much less, or no experience whatsoever entering into EFL teaching so easily. This would make anybody question the value of their job.
EFL teachers old and new are welcome to comment on these issues in the comments section below:


sábado, 26 de maio de 2012

"XVII Oficina de Técnicas de Interpretação Simultânea".



"XVII Oficina de Técnicas de Interpretação Simultânea"
29/06/2012 a 01/07/2012
Recife Praia Hotel - Recife - PE
Objetivo

O objetivo desta oficina é proporcionar um treinamento teórico/prático intensivo das técnicas de interpretação simultânea (popularmente conhecida como “tradução simultânea”), com ênfase na conscientização do participante para os aspectos psicofísicos envolvidos no processo multidisciplinar dessa atividade profissional.

sexta-feira, 18 de maio de 2012

May 2012 ELT Event: Natal.

Dear BRAZ-TESOL friends,
I am delighted to announce our May 2012 event in Natal:


Beyond Formulas, Towards Results
DATE | 26 May 2012
VENUE | FACULDADE MAURÍCIO DE NASSAU | Avenida Engenheiro Roberto Freire, 1514 – Capim Macio, Natal – RN, 59080-400 | (84) 3344-7800| mauriciodenassau.edu.br/ | Google Maps: http://g.co/maps/m8zdc

PROGRAMME
14:00 – 14:15  Opening (Room 114)
14:15 – 15:05  Plenary – Promoting individual attention within large groups (Room 114)
15:05 – 15:30  Break
15:30 – 16:30  Concurrent Workshops (Rooms 112 & 113)
16:30 – 17:30  Plenary – Beyond formulas, towards results. (Room 114)
17:30 – 17:50  Closing & Raffle (Room 114)
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
PLENARY | Eduardo Santos

Promoting individual attention within large groups. (Room 114)
Teaching English to large groups may sometimes lead to the lack of learner’s individual attention. Is it possible to address the needs of individual students and still keep the others engaged in the lesson? This talk aims at discussing key issues suggested by the Demand-High Teaching movement and identified in my own classroom observations.
Eduardo Santos (BA in Languages, UFPE) has been working in the ELT industry for over 10 years. He worked for private language institutions and OUP in the past. He is now a freelance academic consultant and teacher trainer based in Recife. Eduardo is currently completing the Cambridge DELTA.
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
WORKSHOPS
The power of body language in the EFL Classroom (Room 112) | Ana Beatriz M. M. Guilherme & Teresinha Iris Viana
The purpose of this workshop is to show the importance of body language in the process of teaching and learning. Participants will have access to specific information about the use of body language as a natural process of communication and will take part in a variety of simple activities for children, adolescents and adults that can supplement their classes in a fun, interactive way.
Ana Beatriz M. M. Guilherme is a language teacher and director of ProEnglish. She is currently completing a lato sensu postgraduate programme in ELT at Universidade Potiguar. Beatriz is also the current vice-president of the BRAZ-TESOL Natal chapter.
Teresinha Iris Viana is an experienced language teacher having worked with learners of various levels and age ranges. She is currently teaching at ProEnglish.
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

quarta-feira, 16 de maio de 2012

[IDIOMS] O que significa “straight from the horse's mouth” em inglês?




Às vezes temos a necessidade de relatar algo que ouvimos para outras pessoas, mas nem sempre os nossos ouvintes confiam no que dissemos e temos que afirmar que estamos repassando apenas o que nos foi tido exatamente do jeito do acontecido.

Essa expressão está fazendo parte do blog nesse momento porque hoje tivemos uma aula na minha turma de INGLÊS AVANÇADO onde tínhamos que completar uma atividade com “partes do corpo” dos animais (fur, feathers, paws, hooves, claws, tail, wings, whiskers fins, horns, beak).

A lição parecia estranha, mas logo percebemos que havia necessidade de compreender primeiro as partes (já mencionadas anteriormente) para podemos entender as expressões idiomáticas.

Em inglês, temos diversas formas de afirma que “o que estamos dizendo” é realmente digno de confiança, pois “ouvimos diretamente da fonte” (straight from the horse's mouth, em inglês).


It’s true she paid over $500 for one pair of shoes. I did not just hear it from someone else – she told me herself. It was straight from the horse's mouth.

[É verdade que ela pagou 500 dólares por um par de tênis. Eu não apenas ouvi alguém dizendo – ela mesma me disse isso. Eu ouvi diretamente da fonte.]


Voltando para a pergunta que abre essa postagem: O que significa “straight from the horse's mouth” em inglês?

Very simple...


Straight from the horse's mouth = “first hand” information from the original source.


Dica para melhorar sua conversação em inglês:


Dica para melhorar sua conversação em inglês:

Fale sua rotina diária em inglês. Descreva em inglês tudo o que você fez hoje. Se você fez algo e ainda não sabe como se diz tal ação em inglês, consulte o dicionário, ouça a pronúncia da palavra e a repita diversas vezes bem alto. Atenção: aprenda frases nas quais a palavra está inserida. Com o tempo, essa atividade vai ajudar você a falar toda a sua rotina em inglês.

Do livro: 70 dicas para melhorar seu inglês de Frederico Vasconcelos.




Curtam nossa página no Facebook. (Blog Portal da Língua Inglesa).



Queremos continuar ampliando nossas matérias. Ajudem-nos na divulgação do mesmo, mande suas sugestões, críticas e opiniões. Temos explicações sobre vocabulário, piadas, provérbios, gírias, entrevistas, tira-dúvidas e muito mais.

Nossa proposta é levar conhecimento a todos os interessados em aprender e aperfeiçoar suas habilidades referentes à Língua Inglesa. Podem contar com o PORTAL DA LÍNGUA INGLESA.

Se você gostou dessa postagem, poderá gostar das opções que aparecem aqui logo abaixo. Deixem suas sugestões ou críticas. Ajudem-nos a fazer um blog melhor. Em breve, teremos mais novidades para nossos leitores. Aguardem.


In some instances we have been unable to trace the owners of the pictures used here, and we would appreciate any information that would enable us to do so.

terça-feira, 15 de maio de 2012

LEARNING ENGLISH FROM CARTOONS: THE SHOTGUN WEDDING.



This cartoon by John Cole, editorial cartoonist for The Times-Tribune is part of a collection of cartoons from The Cagle Post relating to President Obama's support for gay marriage. The Guardian explains the context:
Obama's announcement, in a hastily-arranged ABC interview on Wednesday, came after years of dodging the issue. He was forced to go public partly because Vice-president Joe Biden ignited the debate with a remark in support of gay marriage at the weekend.
In the interview, Obama said he had long supported civil unions but his position on same-sex marriages had been evolving because of the powerful traditions and religious beliefs attached to the word marriage.
LANGUAGE NOTES

1. A shotgun wedding is a wedding that has to take place quickly, often because the woman is pregnant. The cartoon implies that Obama was forced to come out in favor of gay marriage because of Biden's remarks, which is why Biden is portrayed with a shotgun for a mouth. The cartoonist may also have been thinking of the expression to shoot one's mouth off, which means "to talk too much in a loud and uncontrolled way".

2. If you are uncertain about the difference between the words 'marriage' and 'wedding', a good rule of thumb is that marriage refers to the institution and wedding to the ceremony. 

EXAMPLE:


 The wedding cost over $25,000 but their marriage lasted just a few months.


FROM: TheEnglishBlog.com 

sábado, 12 de maio de 2012

O que significa “hear through the grapevine” em inglês?




É sempre muito ruim ficar sabendo que tem gente falando de alguém de forma negative. Pior do que isso é saber que os outros estão espalhando rumores ou mesmo fofocando no trabalho, entre os amigos... Enfim, fofoca...

Em inglês, fofoca se diz GOSSIP, mas esse é apenas uma das muitas formas de expressar esse ato. O que significa “hear through the grapevine” em inglês?

The whole town heard through the grapevine that Julia was pregnant.

[A cidade inteira ficou sabendo por fofoca que Julia estava grávida.]

A: How do you know Joseph was fired?

[como sabe que Joseph foi demitido.]

B: Well, I heard it through the grapevine.

[Bem... fiquei sabendo por fofoca.]


To hear News that has been passed from one person to another = ficar sabendo por fofoca.



Queremos continuar ampliando nossas matérias. Ajudem-nos na divulgação do mesmo, mande suas sugestões, críticas e opiniões. Temos explicações sobre vocabulário, piadas, provérbios, gírias, entrevistas, tira-dúvidas e muito mais.



Nossa proposta é levar conhecimento a todos os interessados em aprender e aperfeiçoar suas habilidades referentes à Língua Inglesa. Podem contar com o PORTAL DA LÍNGUA INGLESA.

Se você gostou dessa postagem, poderá gostar das opções que aparecem aqui logo abaixo. Deixem suas sugestões ou críticas. Ajudem-nos a fazer um blog melhor. Em breve, teremos mais novidades para nossos leitores. Aguardem. 

James Joyce’s Handwritten Manuscripts Are Now Available Online.


In an important development for scholars and Joyce-enthusiasts everywhere, the Irish National Library has recently made many of its rare James Joyce manuscripts available online. Previously, Joyce’s manuscripts were closely guarded, with use heavily restricted (or made very expensive) by Joyce’s grandson, but as you may know, on January 1st of this year, many of his works moved into the public domain. The manuscripts now available on the Irish National Library’s website include corrected page proofs of Finnegan’s Wake, early notes and drafts for Ulysses and beyond, and one of Joyce’s all-purpose notebooks, full of reading lists, musings, accountings, and passages from his favorite books and poems. All the material is currently available in PDF format only, but the library has promised that higher resolution images are forthcoming — on Bloomsday, of course. [via Jacket Copy]

Read more here

sexta-feira, 11 de maio de 2012

Words in the News: Civil Servant.




The Daily Telegraph reports that under-performing civil servants will be identified and fired.

VOCABULARY

A civil servant is a person who works in the Civil Service in Britain and some other countries, or for the local, state, or federal government in the United States.

 • Another 3800 civil servants are being told their jobs are on the line because of federal budget cuts.






domingo, 6 de maio de 2012

Bibliografia sobre tradução.


Existe no Brasil vastíssima produção bibliográfica, nacional e traduzida, sobre aspectos teóricos, práticos, técnicos, historiográficos sobre tradução. Começo aqui um levantamento despretensioso, que pode trazer alguma contribuição aos interessados. Milhares de artigos não estão aqui citados, porque se encontram publicados em revistas especializadas, especificadas abaixo. A cor em destaque indica o link para a obra disponível para consulta online e download, bastando clicar ali para ter o acesso.









REVISTAS ESPECIALIZADAS


Cadernos de Literatura em Tradução, CITRAT/USP (2000-)
Cadernos de Tradução, UFRGS (1998-)
Cadernos de Tradução, PGET/UFSC (1996-)
Graphos (11, número temático: "Dossiê Cultura e Tradução: abordagens e perspectivas teórico-críticas"), UFPB, 2010.
In-Traduções, PGET/UFSC(2009-)
Ipotesi (13, número temático: "O Brasil e seus tradutores"). UFJF, 2009.
Letras (8, número temático: Tradução), UFSM
Letras (artigos avulsos sobre tradução entre 1966 e 2010), UFPR
PROFT em Revista (2011-)
Rascunho, seção Translato, Eduardo Ferreira (2010-) (de 2004 a 2009, aqui)
Remate de Males (v. 4, número temático: "Território da tradução"). UNICAMP, 1984.
Revista Brasileira de Literatura Comparada (19, número temático: "Poesia e tradução: relações em questão"), ABRALIC, 2011.
Revista de Letras (49, número temático sobre "Tradução"). UNESP, 2009.
Revista Horizontes de Linguística Aplicada (8, número temático: "Tradução no ensino de línguas). UnB, 2009.
Tradução em Revista, PUC-Rio (2004-)
Translatio, UFRGS (2011-)

ANAIS


Primeiro Encontro Nacional de Tradutores. PUC-Rio, 1975.
Anais do II Encontro Nacional de Tradutores. PUC-Rio, 1985.
Anais do 3o. Encontro Nacional de Tradutores. UFRGS, 1989.
Anais do V Encontro Nacional de Tradutores, org. John Milton, Mário Laranjeira e Francis Henrik Aubert. Humanitas Publicações, 1996.
Anais do VI Encontro Nacional de Tradutores, org. John Milton e Francis Henrik Aubert, Integração via tradução. UFC/Humanitas, 1998.
Anais do VII Encontro Nacional de Tradutores/ I Encontro Internacional de Tradutores. CITRAT/ ABRAPT/ USP
Anais do Simpósio Profissão Tradutor 2010, PROFT em Revista, 2011.

GUIAS E MATERIAIS PRÁTICOS DE TRADUÇÃO
Agenor Soares dos Santos, Guia prático de tradução inglesa. Cultrix, 1981
Augusto Rainha, A tradução e a versão francesas. Francisco Alves, 1957.
BTS, Glossários.
Isa Mara Lando, Mini VocabuLando: 500 palavras úteis para leitura e tradução em inglês. Disal, 2009.
Isa Mara Lando, VocabuLando: Dicionário prático inglês-português. Disal, 2006.
José Lodeiro, Tradução dos textos latinos. Globo, 1968.
José Carlos Moreira Alves, Os problemas da tradução do latim do direito para o português. Edifieo, 2001.
Lourenço Torres da Silva, Método moderno para a tradução do latim. Labor omnia vincit, 1954.
Maria Genny Caturegli, Gastronomia de A a Z. Aleph, 2011.
Mario Mascherpe e Laura Zamarin, Os falsos cognatos na tradução do inglês para o português. Bertrand Brasil, 2002.
Myrian Thalita Lins, Guia prático de tradução: técnicas de tradução aplicadas ao livro evangélico. Betânia, 2004.
Paulo Rónai, Guia prático da tradução francesa. Difel, 1967.
Reginaldo Francisco e Claudia Zavaglia, Parece mas não é: armadilhas da tradução do italiano para o português. Claraluz, 2008.
Roberta Malta Saldanha, Dicionário Tradutor de Gastronomia em seis línguas. Antonio Bellini Editor, 2007.
Ronaldo Alves de Oliveira, 280 erros comuns na tradução da língua inglesa. Edicta, 2002.
Sonia Fiorin Falcetta, Tradutores e traduções: guia para os usuários do Rio Grande do Sul. UFRGS, 2002.
Sonia Queiroz (org.), Glossário de termos de edição e tradução. Viva Voz, UFMG, s/d.
Tassilo Orpheu Spalding, Guia prático de tradução latina. Cultrix, 1969.
Virginia Klie, Glossário de Gastronomia Português-Inglês/Inglês-Português. Disal, 2006.
VV.AA., Glossários, CITRAT/USP

OBRAS DE TEORIA, METODOLOGIA, TÉCNICAS E PRECEITOS


Abgar Renault, Poesia: tradução e versão. Record.
Adail Sobral, Dizer o "mesmo" a outros: ensaios sobre tradução. SMS, 2008.
Adriana Pagano (org.), Metodologia de pesquisa em tradução. Série Estudos Linguísticos no. 3. UFMG, 2001.
Adriana Pagano, Fábio Alves e Cecília Magalhães, Competência em tradução: Cognição e discurso. UFMG, 2005.
Adriana Pagano, Fábio Alves e Cecília Magalhães, Traduzir com autonomia: estratégias para um tradutor em formação. Contexto, 2000.
Ana de Alencar, Izabela Leal e Caio Meira (orgs.), Tradução literária: a vertigem do próximo. Azougue, 2011.
Ana Elisa Ribeiro e Carla Viana Coscarelli (orgs.), O hipertexto em tradução. Viva Voz, UFMG, 2007.
Anderson Braga Horta, Traduzir poesia. Thesaurus, 2004.
André Lefevere, Tradução, reescrita e manipulação da fama literária. Trad. Cláudia Matos Seligmann. EDUSC, 2007.
Andréia Guerini & Maria Teresa Arrigoni (orgs.), Clássicos da teoria da tradução, v. III. UFSC, 2005. 
Antoine Berman, A prova do estrangeiro. Trad. Maria Emília Pereira Chanut. EDUSC, 2002.
Antoine Berman, A tradução e a letra, ou o albergue do longínquo. Trad. Marie-Hélène Catherine-Torres, Mauri Furlan e Andréia Guerini. 7Letras, 2007
Boris Schnaiderman, Tradução, ato desmedido. Perspectiva, 2011.
Brenno Silveira, A arte de traduzir. Melhoramentos, 1954.
Bruno Osimo, Curso de tradução. Trad. Mauro Rubens da Silva e Nadia Fossa. Philo Logos, 2004.
Claude Piron, O desafio das línguas: da má gestão ao bom senso. Trad. Ismael M. A. Ávila. Pontes, 2002.
Cláudia Borges de Faveri e Marie-Hélène Catherine Torres (orgs.), Clássicos da teoria da tradução, v. II. UFSC, 2004.
Cristina Carneiro Rodrigues, Tradução e diferença. UNESP, 2000.
Daniel da Silva Rocha e outros, A tradução da grande obra literária. Álamo, 1982.
Delton de Mattos (org.), A formação do tradutor em nível universitário. Horizonte, 1980.
Delton de Mattos (org..), Cultura e tradutologia. Thesaurus, 1983.
Delton de Mattos (org.), Estudos de tradutologia. Kontakt, 1981.
Diego Flores e Lilian DePaula (orgs.), Tradução: uma fonte para o ensino. EDUFES, 2007.
Douglas Robinson, Construindo o tradutor. Trad. Jussara Simões. EDUSC, 2002.
Edwin Gentzler, Teorias contemporâneas da tradução. Trad. Marcos Malvezzi. Madras, 2009.
Else Ribeiro P. Vieira (org.), Teorizando e contextualizando a tradução. UFMG, 1996.
Erwin Theodor, Tradução: ofício e arte. Cultrix/EDUSP, 1976.
Ewandro Magalhães Jr., Sua Majestade, o intérprete: o fascinante mundo da tradução simultânea. Parábola, 2007.
Fábio Alves (org.), Teoria da Relevância & tradução: conceituação e aplicações. UFMG, 2001.
Fábio Alves e José Luiz Gonçalves (orgs.). Relevância em tradução: perspectivas teóricas e aplicadas. UFMG, 2006.
Fábio Said, Fidus interpres: a prática da tradução profissional. Do autor, 2010.
Francis Henrik Aubert, Tipologia e procedimentos da tradução juramentada, I e II. CITRAT/USP, s/d.
Friedrich Schleiermacher, "Sobre os diferentes métodos de tradução". Trad. Margarete von Mühlen Poll. Clássicos da Tradução I, UFSC, 2001.
Friedrich Schleiermacher, "Sobre os diferentes métodos de traduzir". Trad. Celso Braida. Princípios 21, 2007.
Geir Campos, Como fazer tradução. Vozes, 1986.
Geir Campos, Tradução e ruído na comunicação teatral. Álamo, 1982
George Steiner, Depois de Babel: problemas de linguagem e tradução. Trad. Carlos Faraco. UFPR, 2005.
Georges Mounin, Os problemas teóricos da tradução. Trad. Heloísa de Lima Dantas. Cultrix, 1975.
Gérard Genette, Palimpsestos, a literatura de segunda mão; Viva Voz, UFMG, 2006.
Gustavo Bernardo Krause (org.), As margens da tradução. Caetés/FAPERJ/UERJ, 2002.
Gustavo Bernardo Krause, Anke Finger e Rainer Gudin, Villém Flusser: uma introdução.Annablume, 2008 (visualização parcial).
Haroldo de Campos, Da transcriação, poética e semiótica da operação tradutora. Viva Voz, UFMG
Heloisa Gonçalves Barbosa, Procedimentos técnicos da tradução: uma nova proposta. Pontes, 1990.
Henri Meschonnic, Poética do traduzir. Trad. Jerusa Pires Ferreira e Sueli Fenerich. Perspectiva, 2010.
Ildésio Tavares, A arte de traduzir. Fundação Casa de Jorge Amado, 1994.
J. C. Catford, Uma teoria linguística da tradução. Trad. Centro de Especialização de Tradutores de Inglês do Instituto da Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Cultrix, 1980.
Jacques Derrida, Torres de Babel. Trad. Junia Barreto. UFMG, 2002.
Jean Maillot, A tradução científica e técnica. Trad. Paulo Rónai. McGraw Hill/EdUnB, 1975.
João Azenha Jr., Tradução técnica e condicionantes culturais: primeiros passos para um estudo integrado. Humanitas,1999.
John Milton, O poder da tradução. Ars Poetica, 1993 (reed. como Tradução: teoria e prática. Martins Fontes, 1998).
José Paulo Paes, Tradução: A ponte necessária: Aspectos e problemas da arte de traduzir. Ática, 1990.
Juliana Cristina Faggion Bergmann & Maria Fernanda Araújo Lisboa. Teoria e prática da tradução. Curitiba, Ibpex, 2008.
Julio Plaza, Tradução intersemiótica. Perspectiva, 2001.
Lawrence Venuti, "A invisibilidade do tradutor". Trad. Carolina Alfaro. PaLavra 3, 1995.
Lawrence Venuti, Escândalos da tradução: por uma ética da diferença. Trad. Laureano Pelegrin, Lucinéia Marcelino Villel, Marileide Dias Esqueda, Valéria Biondo. EDUSC, 2002.
Liane Schneider e Ana Cristina M. Lúcio, Cultura e tradução. UFPB, 2010.
Luiz Costa Lima, Intervenções. EDUSP, 2002.
Luiz Angélico da Costa (org.), Limites da traduzibilidade. UFBA, 1996.
Malcolm Coulthard e Carmen Caldas-Coulthard (orgs.), Tradução: teoria e prática. UFSC, 1991.
Márcia Atalia Pietroluongo (org.), O trabalho da tradução. Contracapa, 2009.
Márcia A. P. Martins, Tradução e multidisciplinaridade. Lucerna, 1999.
Márcio Seligmann-Silva, O local da diferença: ensaios sobre memória, arte, literatura e tradução. Editora 34, 2005.
Maria Antonieta Cohen e Gláucia Muniz Proença Lara (orgs.), Linguística, tradução, discurso. UFMG.
Maria Clara V. Galery, Elzira D.Perpétua e Irene Hirsch, Tradução, vanguarda e modernismos. Paz e Terra, 2009.
Maria Cristina Batalha e Geraldo Pontes Jr., Tradução. Vozes, 2007.
Maria José Rodrigues Faria Coracini, A celebração do outro: discurso, identidade e memória.Mercado de Letras, 2007.
Maria Lúcia Jacob Barros, Oficina de tradução do francês: traduzindo notícias. Viva Voz, UFMG, 2009.
Maria Paula Frota, A singularidade na escrita tradutora. Pontes, 2000.
Marie-Hélène Catherine Torres, Walter Carlos Costa e Andréia Guerini (orgs.), Literatura traduzida e literatura nacional. 7Letras, 2009.
Mário Galvão de Queirós Filho, A significação da tradução. UFRJ, 1976.
Mário Laranjeira, Poética da tradução: do sentido à significância. EDUSP, 2003.
Marta Rosas, Tradução de humor: transcriando piadas. Lucerna, 2002.
Mauri Furlan (org.), Clássicos da teoria da tradução, v. IV. UFSC, 2006.
Meta Elisabeth Zipser e Silvana Ayub Polchlopeck, Introdução aos estudos da tradução. UFSC, 2008.
Mírian Rose Brum-de-Paula, O outro no (in)traduzível. UFMS, 2008.
Neuza Gonçalves Travaglia, Tradução retextualização: a tradução numa perspectiva textual. EDUFU, 2003.
Newton Sabbá Guimarães, Tradução: da sua importância e dificuldade. Reflexões sobre a filosofia da tradução. Juruá, 2010.
Ofir Bergemann de Aguiar, Abordagens teóricas da tradução. UFG, 2000.
Ofir Bergemann de Aguiar (org.), Tradução: fragmentos de um diálogo. UFG, 2003.
Paul Ricoeur, Sobre a tradução. Trad. Patricia Lavelle. UFMG, 2011.
Paulo Ottoni (org.), Tradução manifesta: double bind e acontecimento. UNICAMP, 2005.
Paulo Ottoni (org.), Tradução: a prática da diferença. UNICAMP/FAPESP, 1998
Paulo Rónai, Pois é. Nova Fronteira, 1990.
Paulo Rónai, A tradução vivida. Educom, 1976.
Paulo Rónai, Babel & antibabel. Perspectiva, 1970.
Paulo Rónai, Escola de tradutores. Nova Fronteira, 1987.
Potiguara Mendes da Silveira Jr., A tradução: dados para uma abordagem psicanalítica. Aoutra, 1983.
Rainer Guldin, Pensar entre línguas: a teoria da tradução de Villém Flusser. Annablume, 2010.
Rosemary Arrojo, Oficina de tradução: a teoria na prática. Ática, 1986.
Rosemary Arrojo, Tradução, desconstrução e psicanálise. Imago, 1993.
Simone Gorovits, Os labirintos da tradução: A legendagem cinematográfica e a construção do imaginário. UnB, 2006.
Solange Mittmann, Notas do tradutor e processo tradutório: análise e reflexão sob uma perspectiva reflexiva. UFRGS, 2003.
Umberto Eco, Quase a mesma coisa: experiências de tradução. Trad. Eliana Aguiar. Record, 2007.
Valery Larbaud, Sob a invocação de São Jerônimo. Ensaio sobre a arte e técnicas de tradução. Trad. Joana Angélica d’Avila Melo. Mandarim, 2001.
VV.AA., A tradução: alvos e ferramentas. Comissão de Estudos de Tradução, USP, 1994.
VV.AA., Ilha do Desterro: Estudos de Tradução.UFSC, s/d.
VV.AA., O texto: leitura e tradução. Alfa, UNESP, 1992.
VV.AA., Território da tradução. Remate de Males, 1984.
Waldivia Marchiori Portinho (org.), A tradução técnica e seus problemas. Álamo, 1983.
Werner Heidermann (org.), Clássicos da teoria da tradução, vol. I. UFSC, 2001.

HISTORIOGRAFIA E ESTUDOS DE CASO 


Alba Olmi, Metodologia crítica da tradução literária: duas versões italianas de Dom Casmurro. EDUNISC, 2001.
Alexandre Eulálio (org.), Borges ou da literatura: problemas de leitura e tradução. UNICAMP, 1999.
Álvaro Faleiros, Adriana Zavaglia e Alain Mouzat (orgs,), A tradução de obras francesas no Brasil. Annablume, 2011.
Agenor Soares de Moura, À margem das traduções, ed. Ivo Barroso. Arx, 2003.
Ana Cristina César, Crítica e tradução. IMS/Ática, 1999.
Ana Helena Souza, Tradução como um outro original: Como é de Samuel Beckett. 7Letras, 2006.
Andréia Guerini, Gênero e tradução no Zibaldone de Leopardi. EDUSP, 2007.
Carlos H. Knapp, O manual do tradutor dinâmico e outras mistificações. Beca. 
Celso Cruz, As metamorfoses de Kafka. Annablume, 2007 (visualização parcial).
Claudio Weber Abramo, O Corvo: gênese, referências e traduções do poema de Edgar Allan Poe. Hedra, 2011.
Cristina Pompa, Religião como tradução: missionários, Tupi e tapuia no Brasil colonial. EDUSC, 2003.
Eliane Fernanda Cunha Ferreira, Para traduzir o século XIX: Machado de Assis.ABL/Annablume, 2004 (visualização parcial).
Elida Ferreira e Paulo Ottoni (orgs.), Traduzir Derrida: Políticas e desconstruções. Mercado de Letras, 2006.
Elza de S´Nogueira, Daibert, tradutor de Rosa: outrs veredas do grande sertão. C/ Arte, 2006.
Geraldo Holanda Cavalcanti, O Cântico dos Cânticos - ensaio de interpretação através de suas traduções. EDUSP, 2005.
Gisele Dionísio da Silva, O corvo no Brasil: a autoria do tradutor. UFG, 2006.
Irene Hirsch, Versão brasileira: traduções de autores de ficção em prosa norte-americanos do século XIX. Alameda Casa Editorial, 2006.
Ivo Barroso (org.), Edgar Allan Poe. "O Corvo" e suas traduções. Rio de Janeiro: Lacerda, 2000.
J. Delisle e J. Woodsworth (orgs.), Tradutores na história. Trad. Sérgio Bath. Ática, 1998.
Jean-Michel Massa, Machado de Assis tradutor. Trad. Oséias Silas Ferraz. Crisálida, 2008.
Jochen Kemper, Standard Freud: uma avaliação crítica do reducionismo nas edições da obra freudiana. Relume Dumará, 1997.
John Milton, O Clube do Livro e a tradução. EDUSC, 2002.
Lauro Maia Amorim, Tradução e adaptação: encruzilhadas da textualidade em Alice no País das Maravilhas, de Lewis Carroll, e Kim, de Rudyard Kipling. UNESP, 2005.
Lia Wyler, Línguas, poetas e bacharéis: uma crônica da tradução no Brasil. Rocco, 2003.
Márcia A. P. Martins (org.), Visões e identidades brasileiras de Shakespeare. Lucerna, 2004.
Maria Alice Gonçalves Nunes, O respeito pelo original: João Ubaldo e a autotradução. Annablume, 2009.
Maria Lúcia Pallares-Burke, Nisia Floresta: O  Carapuceiro e outros ensaios de tradução cultural. Hucitec.
Olga Moreira Belov, A força da tradução: problemas de (in)traduzibilidade em "Hora e vez de Augusto Matraga", de Guimarães Rosa, nas versões de língua inglesa e de língua russa. UFBA, 2008.
Onédia Célia de Carvalho Barboza, Byron no Brasil: traduções. Ática, 1974.
Patricia C. Bastianetto (org.), 12 retextualizações: traduções comentadas italiano-português. Viva Voz, UFMG, 2011.
Peter Burke e Po-chia Hsia (orgs.), A tradução cultural nos primórdios da Europa moderna. Trad. Roger Maioli dos Santos. UNESP, 2009.
Sônia Amorim, Em busca de um tempo perdido - edição de literatura traduzida pela Editora Globo (1930-1950). EDUSP/UFRGS,1999.
Susana Kampff Lages, Walter Benjamin: tradução e melancolia. EDUSP, 2002.
VV. AA., Traduzir Freud. Martins Fontes/ WMF.


ENTREVISTAS, DEPOIMENTOS, CORRESPONDÊNCIAS



Boris Schnaiderman, Encontro com Boris Schnaiderman. Noa Noa, 1986.
João Guimarães Rosa, J. Guimarães Rosa: Correspondência com seu tradutor alemão Curt Meyer-Clason (1958-1967). Nova Fronteira/ABL/UFMG, 2003.
João Guimarães Rosa, J. Guimarães Rosa: Correspondência com seu tradutor italiano Edoardo Bizzari. Nova Fronteira, 2003.
Geraldo de Holanda Cavalcanti, Memórias de um tradutor de poesia. NUT/Escritório do Livro, 2006.
Ivone Benedetti e Adail Sobral, Conversas com tradutores: balanços e perspectivas da tradução. Parábola, 2003.
Paulo Rónai, Como aprendi o português, e outras aventuras. INL, 1956.
Rosa Freire d'Aguiar, Memória de tradutora. NUT/Escritório do Livro, 2004.
Tradução: Entrevistas (vários links para diversas entrevistas com tradutores)

BANCOS DE TESES, ARTIGOS AVULSOS, VARIEDADES:
Banco de Teses e Dissertações sobre tradução,USP
Banco de Teses e Dissertações sobre tradução, UNICAMP
Banco de Produção Acadêmica sobre tradução, UFRJ
Banco de Dados sobre tradução, UNESP
Banco de Teses e Dissertações sobre tradução, UnB
Banco de Teses e Dissertações sobre tradução, Mackenzie
Banco de Teses e Dissertações sobre tradução, PUC-SP
Banco de Teses e Dissertações sobre tradução, UERJ
Banco de Teses e Dissertações sobre tradução, UFMG
Banco de Teses e Dissertações sobre tradução, UFPR
Banco de Teses e Dissertações sobre tradução, Portal MEC Domínio Público
Periódicos UFSC, relação completa, com textos de eventual interesse na área de tradução
Produção discente: PGET/UFSC (banco de teses e dissertações)
Produção docente: PGET/UFSC (artigos, livros etc.)
Banco de artigos na Scielo (busca por "tradução" e correlatos)
Eliane Fernanda Cunha Ferreira, "Machado de Assis: crítico e teórico do traduzir, por subtração", in Em Tese, vol. 6, 2003, UFMG.
Márcia do Amaral Peixoto Martins, "As contribuições de André Lefevere e Lawrence Venuti para a Teoria da Tradução", in Cadernos de Letras 27, UFRJ, 2010.
Rosemary Arrojo, "Tradução", in José Luiz Jobim (org.), Palavras da crítica. Imago, 1992.

VER TAMBÉM:


DITRA, Dicionário de Tradutores Literários no Brasil. PGET/UFSC.
Karen Volobuef, Página acadêmica (literatura e teatro de língua alemã no Brasil). UNESP.
Laurence Hallewell, O livro no Brasil. EDUSP, 2005 (2a. ed., visualização parcial).
Peter O'Neill, Irish Literature in Brazil since 1888. 2009